Pages

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

APOSTA NO BOOM LATINO



América do Sul teve crescimento de 18% no envio de turistas ao Brasil durante os últimos dois anos. “Esse volume vai aumentar ainda mais com megaeventos”, avalia presidente da Embratur, que instala este mês dois escritórios no continente

De cada dois turistas que visitaram o Brasil em 2012, um veio de países limítrofes do nosso país, como Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Peru e tantos outros vizinhos sul-americanos. Foram 2,82 milhões de pessoas, o que representa um crescimento de mais de 18% em relação a 2010. “É um desempenho bem significativo, acima da média mundial, e que mostra que acertamos na aposta de aumentar a participação de turistas sul-americanos”, avalia o presidente da Embratur, Flávio Dino.

Ele lembra que, mundialmente, o turismo tem fluxo intrarregional. “Na Europa, 80% dos turistas são europeus. No México, mais de 80% são norte-americanos e no Sudeste Asiático, idem”, enumera. Segundo Dino, fenômenos históricos – como as ditaduras latino-americanas, o processo de recessão dos países da região e o baixo nível de conexão de transporte na região – fazem com que o Brasil não siga o fenômeno mundial. Em 2010, apenas 46% dos estrangeiros que nos visitavam eram sul-americanos. O crescimento dos últimos anos fez a participação chegar a 49,7%. A Embratur vai seguir apostando no aumento desse fluxo, como forma de garantir um novo patamar para o turismo internacional. “Somente teremos 10 milhões de turistas por ano, quando tivermos 8 milhões de latino-americanos”, prevê.

Dentro dessa aposta, a Embratur está abrindo, este mês, duas representações no continente. São os Escritórios Brasileiros de Turismo (EBTs), que terão uma dupla função, segundo a diretora de Mercados Internacionais, Leila Holsbach. “Por um lado, vão atuar como frentes avançadas de inteligência comercial. Vão prospectar novas tendências de segmentos turísticos nesses mercados, o que nos permitirá fazer um ajuste fino de nossas estratégias de promoção”, afirma a diretora. Por outro lado, os EBTs vão servir de apoio para as ações promocionais da Embratur nesses mercados.

A meta colocada pela Embratur pelos responsáveis pelos EBTs é bem clara: atingir os 7,2 milhões de turistas em 2014. Na América do Sul, os dois escritórios serão instalados em Buenos Aires, na Argentina, e em Lima, no Peru.

O escritório chamado América do Sul I, com base em Buenos Aires, atenderá Argentina, Uruguai e Chile. Os países estão entre os cinco maiores emissores de turistas para o Brasil. Eles ocupam respectivamente o 1º, 2º e 5º lugar no ranking de países prioritários para o Instituto. Os três juntos enviaram só em 2012 mais de 2,4 milhões de pessoas para o País. Este escritório será gerido pelo profissional de turismo, Ney Huberto Neves, que já passou pela Embratur, como chefe de gabinete da então presidenta Janine Pires e, depois, atuou nos Convention & Visitors Bureau do Rio de Janeiro, Brasília, Foz do Iguaçu e de Florianópolis.

Já o escritório América do Sul II, com base em Lima, ficará responsável pela Colômbia, Peru, Bolívia, Paraguai, Equador e Venezuela. Segundo dados do Anuário Estatístico de Turismo do Ministério do Turismo, em 2012, os seis países foram responsável por enviar mais quase 630 mil turistas para o Brasil. Com grande potencial de crescimento, esta região é uma das prioritárias para a Embratur. Neste caso, o papel do executivo será intensificar as relações e apontar para o Instituto as melhores oportunidades de negócios.

Em Lima, a gestora do EBT será a turismóloga Andressa Aguiar. A consultora já trabalhou na Embratur com a captação de eventos e na promoção dos eventos brasileiros no exterior. Além disso, participou do projeto “Brasil: Meu Negócio é Turismo”, uma parceria entre a Fundação Roberto Marinho e o Ministério do Turismo, como orientadora de aprendizado, coordenando e ministrando oficinas de qualificação de profissionais ligados ao setor turístico, no Distrito Federal.

“Ambos têm uma responsabilidade muito grande de promover o país nesses mercados que têm grande interesse pelo tema futebol e que devem ter cinco países classificados para a Copa do Mundo 2014”, afirma Dino. “Contamos com esses profissionais para aprimorar ainda mais nossas estratégias de promoção nesses países, garantindo que, com um aumento do fluxo de latino-americanos, cheguemos aos 10 milhões de turistas”.

Legendas:

Foto 1 - Ney Huberto Neves, gestor do América do Sul I
Foto 2 - Andressa Aguiar, gestora do América do Sul II


Fonte: Embratur

0 comentários:

Postar um comentário